Primeiros passos no uso do ATLAS.ti

September 30, 2014

Autor:  Nilton Pedrett

Este artigo cobre algumas noções básicas de utilização do ATLAS.ti pelo ponto de vista do usuário iniciante. Se você ainda não tem o ATLAS.ti instalado faça o download da versão demo em www.atlasti.com/demo.html, instale e abra o software. O ATLAS.ti funciona no Windows nativamente e através de uma máquina virtual no OSX ou Linux. Clique em Proceed with trial.

Figura 1. Versã demo. Se você tem uma licensa de u.so insira aqui. Se quiser usar a versão demo (limite de 10 documentos primários) clique em Proceed

Figura 1. Versã demo. Se você tem uma licensa de u.so insira aqui. Se quiser usar a versão demo (limite de 10 documentos primários) clique em Proceed

Enquanto a tradução para português não está pronta, trabalharemos com a interface em espanhol. Vá ao menu Tools/Preferences/Set user Inteface Language/Spanish. Feche o progama e abra novamente. A interface deverá estar em espanhol.

Figura. 2: Mudando o idioma para espanhol.

Figura. 2: Mudando o idioma para espanhol.

Na pesquisa qualitativa usualmente analisamos documentos. O ATLAS.ti trabalha com uma infinidade de tipos diferentes de arquivos multimídia. É possivel agregar PDF, Docs do Word, imagens, audio e vídeo. Vou criar uma pasta para guardar todos os arquivos usados nesse tutorial, inclusive a UH. Faço isso por uma questão de organização. Não é obrigatório, mas é altamente recomendável.

Adicionarei cinco imagens. Poderia trabalhar com outras fontes de dados, como um documento do Word ou uma tabela do Excel. Você pode repetir os passos usando suas fotografias ou textos. Para adicionar documentos, vá no menu Documentos/Nuevo/Agregar documentos (Mi biblioteca):

Figura 2. Juntando DPs à UH.

Figura 3. Juntando DPs à UH.

Depois de escolher e confirmar a importação dos arquivos é hora de por a mão na massa. Vamos visualizar os documentos clicando nos três triângulos à esquerda. Dando um duplo clique no nome do arquivo ele será selecionado e aparecerá na janela principal.

Figura. 4: Abrindo a aba de navegação lateral.

Figura. 4: Abrindo a aba de navegação lateral.

Figura 5. Navegando pelos DPs.

Figura 5. Navegando pelos DPs.

Todos os documentos usados no programa são “Documentos Primários (DP) e podem ser administrados clicando no botão DPs:

Fig6

Figura 6. Abrir Administrador de DPs.

Figura 6. Abrir Administrador de DPs.

Figura 7. A janela de administrador de DPs.

Uma funcionalidade importante é a capacidade de fazer comentários em diversos elementos do programa. Selecione um dos arquivos e escreva algo sobre ele na caixa de texto abaixo. Ao lado do nome do arquivo aparecerá um “~”, que é o símbolo de comentário. Também é possível acrescentar a data e hora do sistema através do atalho CTRL + D.

Figura 8. Editando um comentário na janela Administrador de Documentos Primarios.

Figura 8. Editando um comentário na janela Administrador de Documentos Primarios.

Sempre comente seus códigos, seus Documentos Primários, suas práticas. É difícil lembrar de tudo, porém a longo prazo essas informações contidas nos comentários podem ser bastante uteis.

Em meu mestrado pesquiso memes de internet e uma das coisas que quero saber é quais são os elementos mais comumente encontrados num meme. Poderia ter códigos à priori, mas farei isso durante o processo. Com a imagem na tela principal, selecione uma área , clique com o botão direito na seleção/codificar/ingressar nombres de códigos. Criei um código chamado “texto”.

Figura 9. Criando novos códigos e codificando um documento.

Figura 9. Criando novos códigos e codificando um documento.

No meme que estou trabalhando existem duas áreas de texto. Selecionei um trecho, cliquei na código “texto” na janela do canto esquerdo inferior e arrastei para o trecho selecionado. Codificação feita!

Figura.10: Codificando.

Figura.10: Codificando.

Quero criar mais códigos antes de continuar. Clique no botão Codigos para abrir o Administrador de codigos.

Figura 11: Abrindo o Administrador de codigos

Figura 11: Abrindo o Administrador de codigos

Clicando neste botão ou indo no menu Códigos/Ingressar nombre de código você poderá criar novos códigos. Criarei 3: Imagem, Pessoa e Animal. Repetirei o processo de codificação: seleciono um pedaço da imagem e arrasto o código para dentro da seleção.

Figura.12: Criando um novo código Administrador de codigos

Figura.12: Criando um novo código Administrador de codigos

Clicando neste botão ou indo no menu Códigos/Ingressar nombre de código você poderá criar novos códigos. Criarei 3: Imagem, Pessoa e Animal. Repetirei o processo de codificação: seleciono um pedaço da imagem e arrasto o código para dentro da seleção.

Figura.13: Criando um novo código Administrador de codigos

Figura.13: Criando um novo código Administrador de codigos

No lado esquerdo o programa exibe os códigos usados, separado por cores. Clicando na barra colorida a área codificada irá ficar em destaque. Dentro do ATLAS.ti, cada conteúdo marcado é chamado “cita”. Antes de continuar, vou codificar as outras imagens utilizando esse sistema simples que criei. Faça o mesmo.

Figura.14. Abrindo o Administrador de citas

Figura.14. Abrindo o Administrador de citas

Depois de codificar as suas imagens (aproveite para criar novos códigos) clique em Citas para abrir o Administrador de Citas. Uma cita é um trecho de documento que foi associado a um código.

Figura15. Administrador de citas

Figura15. Administrador de citas.

À esquerda temos os códigos que criamos anteriormente. Entre parênteses quantas vezes cada um foi usado. Novamente, é possível editar as citas, visualisa-las em contexto no documento, remover a marcação, criar um comentário… separe um tempo para navegar sem medo pelos menus.

Vamos criar agora uma família. Familias são agrupamento de objetos e são bastante úteis em diversas situações de pesquisa. Abra Administrador de documentos primarios, aperte CTRL, marque três documentos primários e arraste para o lado esquerdo. Nomeie a família.

Figura16: Criando famílias de DP

Figura16: Criando famílias de DP

Criei duas famílias. Você pode arrastar DPs para dentro das famílias. Para visualisar todos os elementos das famílias clique no botão “Mostrar todos os Documentos primarios”.

Outro conceito importante e útil é a visualização das relações entre os objetos. Códigos, documentos, citas… tudo se relaciona de alguma maneira. Vamos explorar rapidamente a visualização em rede das duas famílias que criei. Primeiro selecione as duas famílias (clicando nelas com o botão CRTL pressionado). Clique com o botão direito do mouse e escolha Abrir vista de red:

Figura 17. Visualização em rede

Figura 17. Visualização em rede

Sua tela deve ficar parecida com esta:

Figura18: Uma rede sem conexões é uma rede?

Figura18: Uma rede sem conexões é uma rede?

Isso não diz muito, não é? Clique com o botão direito em cada categoria e escolha Importar vecinos:

Figura19. Será que há um jeito

Figura19. Será que há um jeito

Clique no botão Hacer diseño semantico para melhorar a visualização:

Figura 20: Agora sim!

Figura 20: Agora sim!

Uau! Rapidamente criamos uma visualização interessante dos dados. Diversos objetos podem ser visualizados desta maneira e é possível salvar, editar, criar novas relações e exportar a rede. Vejamos o que acontece quando fazemos o mesmo com os códigos que criamos. Abra o Administrador de codigos, selecione todos os códigos, clique com o botão direito e abra a visualização em rede:

Figura 21. Visualizando a rede dos códigos.

Figura 21. Visualizando a rede dos códigos.

Vamos preencher essa rede. Desejo ver todas as ocorrências de cada código. Para isso clico com o botão direiro em cada código e seleciono Importar vicinos:

Figura 22. Visualizando a rede dos códigos.

Figura 22. Visualizando a rede dos códigos.

Para finalizar, salve sua UH indo no menu Proyecto/Guardar.

Figura 23. Ufa! Salvando o trabalho.

Figura 23. Ufa! Salvando o trabalho.

Obrigado por ter estado comigo até agora.

Sobre o Autor

foto-perfil-niltonP-150x150

Nilton Pedrett é mestrando pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia, Estudou Iinformática e Ciência da Computação antes de graduar-se em Psicologia. Tem experiência em psicologia clínica humanista e interessa-se pelas interfaces entre evolução darwinista, cultura, religião e tecnologia. Atualmente participa do Grupo de Pesquisa em Iteração, Tecnologías Digitais e Sociedade (GITS-http://gitsufba.net) como pesquisador e de um grupo de pesquisa em aprendizagem centrada no aluno como coordenador. Esta é a primeira versão deste tutorial. Dúvidas, sugestões ou correções entre em contato comigo via email: psi.nilton@gmail.com.

 

Share this Article